sexta-feira, 17 de maio de 2013

Era uma vez uma Joana e uma médica a fazer que era médica.

Eu sou avessa a ir a Urgências. Acho realmente estúpido e egoísta ir a uma consulta de urgência quando não é nada urgente ou, mesmo sendo, não é tãaao urgente que não possa esperar umas horas. No entanto, e perante a insistência exagerada dos meus pais, resolvi ir tirar a limpo o que se passava comigo junto de um médico. Vai daí, ontem, e já no meu limite das forças e da resistência física ao bicho que me atacou, resolvi ir ao meu Centro de Saúde no horário em que a minha médica de família lá está. O Centro diz-me que a médica não tem vaga e que tenho de ir para o Recurso (a.k.a. Urgência lá do sítio). Fico chateada, mas porque estava lá para deixar descasado quem estava tão preocupado comigo, vou. Eu era a primeira e deveria ser atendida às 14h30 (sim, que pelos vistos há horários de almoço nas urgências de um Centro de Saúde). Deveria, porque fui atendida às 15h e a médica ainda chegou nas calmas, que ela não estava para mais. Chama-me. Muito simpática, treleléu e lá começo eu a dizer o que sinto: garganta inflamada, dores fortes de ouvidos, contínua sensação de desmaio, constantes tremores no corpo (que não de frio), dores insuportáveis no corpo, nada de ranho, espirros ou tosse. O que é que ela faz? Ausculta-me o peito (lembro: eu não tinha secreção ALGUMA) e vê-me a língua e a garganta durante dois (literalmente, dois) segundos. Chega ao fim (sim, isto foi a consulta) e diz-me: "Pois é, Joana, isso foi uma virosesita..."
Eu: Virose? (como raio soube ela diagnosticar se não me fez testes nenhuns?)
Ela: Sim, isso passa num instante.
Eu: Mas Dra., eu ando com imensas dores de garganta e ouvidos e...
Ela: A garganta nem está inflamada.
Eu (a passar-me): Como não está inflamada? Há dois dias que não consigo engolir sem parecer que me estão a espetar facas na garganta!
Ela: Pois, mas isso é normal nesta altura.
Eu: Mas normal, como? Isto não é uma gripe, pois não? (ainda me passou pela cabeça que pudesse ser uma variante estúpida de gripe - tipo Gripe A ou coisa que o valha...)
Ela: Não. Vai tomar Ben-U-Ron durante 3 dias e, se não passar, volta cá. (Um Ben-U-Ron para tratar uma virose... nunca vi, mas deve ser um tipo de conjugação virose-tratamento que só aquela médica conhece).

E, depois, a preciosidade do dia: 
Ela - Vai querer que lhe passe baixa?
Eu - (nem me dei ao trabalho de ripostar que raio de justificação teria ela para me passar baixa se só me ouviu os brônquios e viu a garganta e disse que eu não tinha nada) Não, obrigada, Dra., eu trabalho por conta própria e tenho a minha própria empresa.

Parece-me evidente que esta pessoa está a ocupar um lugar indevido. Eu que não percebo nada disto, e perante os sintomas que apresentei, a primeira coisa que faria teria sido medir as tensões, ver os ouvidos e perguntar se sofria de alguma doença ou tinha tido contacto com pessoas doentes. Eu não me segurava de pé, mas isso também é um pormenor. E a garganta está muito inflamada, sim - estou com uma virose que me atacou a laringe e a faringe e, por consequência, os ouvidos, o que me afeta o meu equilíbrio. Só ainda não consegui explicação para as dores de corpo, mas pelo menos já não as tenho, o que me deixa sossegada.

Enfim, fiquei chateada por ter pago os 5 Euros da taxa moderadora; por ter tirado o lugar a alguém, quando a minha médica estava lá; por ter obrigado o namorado a andar à pressa, a almoçar mal, a ver uma cena que lhe relembrou a perda que sofreu e a chegar quase 1,5h depois do horário de entrada no serviço - tudo por eu não me conseguir segurar de pé; e por ter sido atendida por uma pessoa que tem uma santa vida e que é, apesar de muito simpática, claramente incompetente na sua área.

2 comentários:

W disse...

Ouvi dizer que anda por aí um Virus de nome Rota Virus (ou lá como se escreve) e que tem mais ou menos os sintomas que descreves. Para além desses que falas tens diarreia?

As melhoras Joaninha :) *

Joana disse...

Nop, nada de diarreias, felizmente. Senão é que me assustava a valer. Muito obrigada pela preocupação e palavras, W.! Ainda estou a recuperar e os meus fins de dia e madrugadas são penosos, mas a coisa está a ir... devagar, mas está a ir. Obrigada pelo carinho.